ASA elimina o Palmeiras da Copa do Brasil

Há 15 anos… dia 20 de fevereiro de 2002.

ASA de Arapiraca elimina o Palmeiras da Copa do Brasil

“Poderia esquecer cada provocação e insulto após cada doída derrota. Poderia omitir tudo isso. Mas não me esquecerei de nenhum deles, jamais. E prefiro não preencher página alguma sem citar nosso fardo, o peso da derrota e nossos tropeços. Esta nunca seria uma história completa, muito menos digna ou honesta. E nós prezamos muito pela dignidade e honestidade. Vestir uma camisa verde não é apenas um ato fútil de ostentação e glória. É muito mais do que isso. E palavras escritas serão incapazes de explicá-lo.”

Palestrino de quatro costados, como se dizia antigamente, ou roots, como eu acho que ainda se diz hoje, o amigo Luigi se derramou em palavras no post-tributo ao Palmeiras, nos 100 anos do clube. Honesto, também não se eximiu do papel de expor as agruras e as dores de se ser Palestra.

Há 15 anos, o amigo e seus pares de fato, os torcedores que sentem, verdadeira e profundamente, a dor da derrota, vivenciaram uma ópera bufa em pleno Parque Antarctica. Uma madrugada de sabor amargo na garganta, peso na cabeça e infinita insônia.

Tudo por causa do time de três letras: ASA. O ASA de Arapiraca.

A vitória por 2 a 1 foi inútil. Na estatística histórica, mais uma entre tantas. Na linha do tempo histórica, um mastodôntico vexame.

Em 20 de fevereiro de 2002, o time de Vanderlei Luxemburgo, Marcos, Alex, Arce, Galeano, nomes que escreveram capítulos épicos na centenária História da Sociedade Esportiva Palmeiras, teve sua noite de terror.

Uma trágica e precoce despedida da Copa do Brasil, logo na primeira fase.

Do outro lado, uma glória sem precedentes para o bravo e modesto ASA, um clube em que a presidente da época, Luciana Machado, também fazia a função de médica do elenco! (Veja a história no link do Estadão).

Só o futebol para proporcionar surpresas dessa magnitude e como esse enredo.

Uma classificação celebrada como se fosse um título, com direito a trio elétrico e desfile pelas ruas de Arapiraca. Justa festa ao então bicampeão estadual.

Um visitante que soube tirar proveito do nervosismo dos jogadores e da impaciência da torcida para se classificar. Por causa da vitória por 1 a 0 no primeiro duelo, o gol de Sandro Goiano, aos 43 minutos do primeiro tempo, bastou para eliminar o gigante paulista.

Mesmo com um jogador a mais desde os 15 minutos, o Palmeiras não conseguiu marcar mais um tento, que proporcionaria a passagem para a próxima etapa.

O conto de fadas alagoano terminaria já na segunda fase, com eliminação para o Confiança, de Sergipe.

Já o clube de Palestra Itália nem imaginava que o tombo era apenas um aperitivo do indigesto banquete do ano de 2002.

Mas essa história fica pra outro dia… Porque todo dia é histórico.

Reportagem de Mauro Naves sobre o jogo:

Festa em Arapiraca:

Fontes e +MAIS:

– Acervo Folha

– Acervo Estadão

– folha.uol.com.br

– goal.com/br

– esportes.estadao.com.br

– blogdomenon.blogosfera.uol.com.br

– esportes.terra.com.br

– ultimadivisao.com.br

– globoesporte.globo.com

Anúncios

Fala!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s