Bandido da Luz Vermelha é preso em Curitiba

Há 50 anos… dia 7 de agosto de 1967.

“Cansado, algemado, com paletó azul-claro, calça amarela de veludo, camisa branca, colete vermelho e sapatos cor de café, com fivelas, o bandido da lanterna vermelha – que era aguardado por grande número de delegados, repórteres, investigadores e alguns curiosos que se faziam passar por jornalistas – entrou no DI às 6h45 de hoje, escoltado por cinco policiais da Delegacia de Roubos de Curitiba, onde foi preso ontem à noite”.

O bandido que virou filme, o primeiro longa do grande Rogério Sganzerla (completo, no vídeo lá embaixo).

João Acácio Pereira da Costa, o Bandido da Luz Vermelha.

Meio século atrás, a caçada de mais de três meses ao célebre criminoso terminava. Uma epopeia esmiuçada em todos os detalhes na edição da tarde da Folha de S. Paulo de 8 de agosto de 1967.

Foi um “amigo” que informou a Delegacia de Furtos e Roubos de Curitiba sobre o paradeiro de João. Conta o Estadão:

A prisão

Às 18 horas, 4 agentes da DFR dirigiram-se para residência localizada no bairro “Estribo Ahu” e, como o bandido não se encontrasse em casa, os policiais invadiram o seu dormitório, apreendendo três revólveres que ali se encontravam. A seguir, os policiais esperaram-no na casa. Às 19 e 45, o assaltante chegou e, ao entrar na residência, foi agarrado pelos policiais. Tentou fugir, não conseguiu e foi imediatamente algemado. “Se eu estivesse armado, teria matado todo mundo, pois já matei seis”, declarou ao ser preso e dominado pelos policiais.

Não era mentira.

Em seis anos de crimes, o natural de São Francisco do Sul, Santa Catarina, órfão dos pais aos 4 anos, cometeu 77 assaltos, além de quatro assassinatos e outras sete tentativas de homicídio.

Uma trajetória meio “O Médico e o Monstro”.

De dia, João era um pacato morador de Santos, onde tinha apartamento adquirido com o dinheiro dos assaltos. De noite, colocava o chapéu na cabeça e o lenço vermelho no rosto, estilo Velho Oeste, além da indefectível lanterna rubra no bolso, vinha para São Paulo e se transformava no Bandido da Luz Vermelha.

Então, cortava a eletricidade das mansões da capital paulista, entrava descalço e fazia o rapa. Reza a lenda que, quando encontrava moradores das casas, gostava de ficar conversando. Dizem que os anfitriões até cozinhavam pra ele!

João acabou condenado a 351 anos, 9 meses e 3 dias de reclusão em regime fechado. Cumpriu 30, limite de encarceramento da lei brasileira.

Em 26 de agosto de 1997, deixou a prisão.

Quatro meses e vinte dias depois, foi assassinado durante uma briga de bar.

Mas essa história fica pra outro dia… Porque todo dia é histórico.

Foto: o famoso criminoso, minutos depois de chegar à delegacia de Curitiba, em registro que foi pra capa da edição da tarde da Folha.

O filme de Sganzerla:

Fontes e +MAIS:

– Acervo Folha

– Acervo Estadão

– Wikipédia

– f5.folha.uol.com.br

– folha.uol.com.br

– mundoestranho.abril.com.br

Anúncios

Fala!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s