Rubens Barrichello conquista a 1ª vitória na F1

Há 15 anos… dia 30 de julho de 2000.

Rubens Barrichello conquista a 1ª vitória na F1

123 corridas.

Da estreia, no GP da África do Sul de 1993, até a primeira vitória, no GP da Alemanha de 2000, foram 7 anos, 4 meses e 16 dias. Só o australiano Mark Webber esperaria mais para vencer na Fórmula 1.

Nesse período, só ele sabe o quanto sofreu. Desembarcou na maior categoria do automobilismo como mais um talento do Brasil. No 1º de maio de 1994, tudo mudou, tudo se precipitou.

A morte de Ayrton Senna, dois dias depois de ele mesmo a ter encarado de perto, mexeu na ordem das coisas e colocou em seus ombros um peso do tamanho do mundo.

Em 30 de julho de 2000, tudo valeu a pena. A bandeira quadriculada, ao final de uma prova maluca e dramática, com direito a chuva, invasão de pista e duas intervenções do safety-car, enfim, tremulou pra ele.

“Rubens Barrichello vence, de forma brilhante, o Grande Prêmio da Alemanha!”, exclamou Galvão Bueno, extasiado de felicidade. “Chegou o dia! Foram sete anos de espera da Fórmula 1 brasileira. De novo, no alto do pódio!”, completou, em referência ao último triunfo do País na categoria, em 7 de novembro de 1993, com Senna, na Austrália.

De fato, Rubinho foi brilhante e realizou um GP irrepreensível. Problemas elétricos no F1-2000 de sua Ferrari nos treinos o colocaram apenas no 18º lugar do grid de largada. Após a volta inicial, ele já era o 10º.

Na 15ª passagem dos 6,823 km do circuito de Hockenheim, o brasileiro estava em terceiro, atrás das McLaren de David Coulthard e do líder Mika Hakkinen. Michael Schumacher, companheiro de Rubinho, que abandonara logo na largada após colisão com Giancarlo Fisichella, torcia pelo brasileiro nos boxes da escuderia italiana.

Então, duas paralisações beneficiaram o piloto da Ferrari: na volta 26, por causa de um homem que invadiu a pista em protesto contra a McLaren; e na volta 29, após acidente entre o brasileiro Pedro Paulo Diniz e o francês Jean Alesi. As paradas fizeram Rubinho se aproximar dos carros prateados.

Pra completar os ventos de sorte, começou a chover, a 15 voltas do fim (30ª volta). Hakkinen e Coulthard foram aos boxes para trocar os pneus, mas Rubinho permaneceu com o jogo liso. Virou líder e, apesar da água persistente, não só manteve a ponta como começou a abrir diferença em relação às McLaren.

As 10 passagens finais foram tensas e dramáticas. O piloto brasileiro conduziu o carro vermelho com extrema habilidade para, enfim, subir ao lugar mais alto do pódio. A Ferrari vibrou muito com ele, que foi recebido com um abraço de Schumacher nos boxes. Na festa da champanhe, a bandeira brasileira virou lenço para enxugar as lágrimas emocionadas.

A primeira vitória foi dedicada à Ayrton Senna.

Rubinho venceria novamente na Fórmula 1 em 2002, no Grande Prêmio da Europa, de novo na Alemanha.

Mas essa história fica pra outro dia… Porque todo dia é histórico.

A última volta:

Fontes:

Wikipédia

Wikipedia

– jovempan.uol.com.br

– grandepremio.uol.com.br

– revistaautoesporte.globo.com

Anúncios

Fala!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s