Suprema Corte dos EUA tem 1ª decisão a favor dos gays

Há 20 anos… dia 20 de maio de 1996.

(Clique para ampliar!)

“Corte rejeita a Emenda 2”, diz a manchete do Denver Post de 21 de maio de 1996.

Nada a ver, claro, com a lei sobre o direito de porte de armas da Constituição Federal Americana. Tudo a ver, sim, com a segunda emenda da constituição do estado do Colorado.

Em 1992, em referendo popular, a maioria da população (53,4%) decidiu pela aprovação da dita cuja, que impedia governos locais de reconhecer os homossexuais como uma classe protegida.

Então, a procuradora Jean Dubofsky, primeira mulher a trabalhar na Suprema Corte do Colorado, entrou na jogada e desafiou a emenda. Seu objetivo era contestar a lei em nível estadual, sem chegar até a Suprema Corte.

No entanto, o mais alto foro de justiça dos Estados Unidos resolveu assumir a questão. Em 20 de maio de 1996, a emenda 2 foi refutada. Por 6 votos a 3, a Suprema Corte Americana concedeu à comunidade gay a sua primeira vitória.

Uma sentença cautelosa e prática, é verdade, que não entrou no mérito sobre os direitos dos homossexuais. Mas um triunfo para ativistas da causa e um importante passo na longa caminhada para combater a legislação anti-gay.

Jornada que culminaria com a maior vitória de 2015, quando a Suprema Corte aprovou o casamento gay em todo o país.

Mas essa história fica pra outro dia… Porque todo dia é histórico.

Debate na TV, à época da decisão:

Fontes e +MAIS:

Acervo Folha

history.com

Wikipedia

– politico.com

harvard.edu

Anúncios

Fala!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.