“Todos os Homens do Presidente” estreia nos EUA

Há 40 anos… dia 9 de abril de 1976.

"Todos os Homens do Presidente" estreia nos EUA

POR RODRIGO MELLO*

Deep Throat: Follow the money.

Bob Woodward: What do you mean? Where?

Deep Throat: Oh, I can’t tell you that.

Bob Woodward: But you could tell me that.

Deep Throat: No, I have to do this my way. You tell me what you know, and I’ll confirm. I’ll keep you in the right direction if I can, but that’s all. Just… follow the money.

Deep Throat: Siga o dinheiro.

Bob Woodward: O que você está querendo dizer?

Deep Throat: Ah, isso eu não posso te dizer.

Bob Woodward: Mas você poderia me dizer.

Deep Throat: Não, eu tenho que fazer isso do meu jeito. Diga-me o que sabe, e eu confirmarei. Manterei você no caminho certo se puder, mas isso é tudo. Apenas… siga o dinheiro.

“Siga o dinheiro”. Qualquer semelhança não é mera coincidência.

Nos bastidores de um dos maiores escândalos da História dos Estados Unidos, dois repórteres puxam a ponta de um fio, e descobrem que estão diante de um enorme e escandaloso novelo. Com coragem, no limite da irresponsabilidade, desvelam para uma sociedade incrédula o lado negro da política americana.

“Todos os Homens do Presidente”, filme de 1979, e que completa hoje 40 anos de seu lançamento oficial, foi um filme à altura dos eventos que retratou.

Dirigido por Alan J. Pakula (de “O Sol é Para Todos”), o longa estrela os então já enormes Robert Redford e Dustin Hoffman nos papéis dos jornalistas Bob Woodward e Carl Bernstein, do Washington Post.

O roteiro passou pelo filtro dos personagens reais da história, os jornalistas do Post, o que garantiu enorme verossimilhança ao enredo.

É um filme sobre jornalismo investigativo, assim como o recente e premiado “Spotlight”. Seu ritmo é vertiginoso! Mesmo sendo uma película de diálogos, e mesmo que já se saiba o final de antemão (a renúncia do presidente Nixon), mantém o espectador preso na poltrona até o fim.

A química entre os jornalistas – e entre a dupla e a direção do jornal (uma salva de palmas para o ator Jason Robards, que representa brilhantemente o papel do mítico editor-executivo do Post, Ben Bradlee) – é perfeita. Coloca o espetador nas entranhas do processo decisório que levou o jornal a bancar, correndo todos os riscos, a história de espionagem e abuso de poder conhecida como Watergate, e que terminaria por levar o presidente Nixon a deixar a Casa Branca.

Referência obrigatória em qualquer curso de jornalismo, o filme retrata a delicada relação entre um jornalista e sua fonte – o escândalo do Watergate talvez não fosse revelado sem a colaboração de “Deep Throat” (“Garganta Profunda”, em português”), o informante do jovem Bob Woodward. (Em 2006, furo da revista Vanity Fair revelou a identidade do informante: Mark Felt, diretor do FBI à época do escândalo).

O Watergate sacudiu Washington, escancarando a importância da liberdade de imprensa como um dos pilares da democracia. O ambivalente Nixon deixou a Casa Branca pela porta dos fundos, enxotado por uma sociedade escandalizada – ainda que o tempo e a distância tenham relativizado – para melhor – seu legado.

Mas essa história fica pra outro dia… Porque todo dia é histórico.

* Rodrigo Mello é professor e psicólogo, e acha que o cinema brasileiro ainda nos deve um filme sobre a queda de Fernando Collor.

Trailer do filme:

Fontes e +MAIS:

Wikipedia

Wikipédia

IMDb

– nytimes.com

– rogerebert.com

– theguardian.com

– observatoriodaimprensa.com.br

Anúncios

Fala!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.