O último jogo de Telê Santana no futebol

Há 20 anos… dia 27 de janeiro de 1996.

(Clique para ampliar)

A imagem acima mostra a ficha técnica do último jogo de Telê Santana no futebol.

Está no excelente Almanaque do São Paulo, da revista Placar e de Alexandre da Costa. A breve nota abaixo da ficha, intitulada TELÊ, PELA ÚLTIMA VEZ, aponta o motivo pelo afastamento do técnico e sintetiza o sentimento do são-paulino: “O São Paulo fica órfão”. Bom, foi muito mais do que isso, infelizmente.

Há duas décadas, não somente o Clube da Fé ficou sem pai, mas o próprio futebol brasileiro perdeu o seu maior mestre. Em um triste empate entre um já descendente e quase decadente Tricolor e o pequeno Rio Branco, Telê Santana da Silva trabalhou pela derradeira vez à beira do gramado.

Claro que ninguém sabia que era a última. Tanto que somente 4.431 testemunhas estiveram no estádio Décio Vita, em Americana, em duelo da primeira rodada do Campeonato Paulista de 1996.

O time da casa abriu o placar aos 31 minutos do segundo tempo, com Marcos Assunção, em pênalti duvidoso marcado por Dacildo Mourão. Aos 37, o lateral-esquerdo Guilherme, recém-contratado do Paraná Clube, deixou tudo igual, em gol olímpico. Não há imagens do jogo no YouTube.

Na Folha daquele dia 27 de janeiro, o repórter Arnaldo Ribeiro destacava a nova cara que o treinador tentava dar ao time. “Telê muda o estilo e quer time operário” dizia a manchete da página 4 do caderno de Esporte.

“O futebol não pode ser apenas bonito, tem que ser também eficiente. No ano passado, não jogamos futebol, nem de uma forma e nem de outra”, dizia o Mestre, que amargara um 1995 em branco, sem taça, após 10 conquistas em 5 anos de clube: os bicampeonatos da América e do Mundo (1992/1993), Brasileirão (1991) e dois Paulistas (1991/1992), além de Supercopa (1993), Recopa (1993 e 1994).

Na edição do dia 28, na página 5, o jornal dos Frias destacava coluna assinada por Telê: “Se respeitarem o regulamento, Paulista-96 será um sucesso” dizia o título. Ao lado, o relato do empate em 1 a 1, lembrando da interrupção da partida por causa da chuva na cidade do interior paulista.

Três dias depois, Telê foi realizar exames de rotina. Acabou internado. Mais algum tempo e foram identificados episódios de AVC (Acidente Vascular Cerebral) que o técnico sofrera, um ainda no final de 1995. Uma triste e mal explicada história, que rendeu até processo na justiça (links abaixo).

Telê se afastou do futebol para sempre. Meses depois, assinou com o Palmeiras para desempenhar a função de superintendente e, eventualmente, até de técnico. Nunca aconteceu.

Na chuvosa Americana, em um vazio Décio Vita, com um insosso empate, Telê Santana da Silva viveu e escreveu seu último capítulo como o maior treinador da História do São Paulo. O maior treinador do futebol brasileiro.

Uma década depois, ele partiria.

Mas essa história fica pra outro dia… Porque todo dia é histórico.

P.S.1:

P.S.2:

Matéria do Fantástico, de 1996, com Telê afastado do futebol:

Fontes e +MAIS:

– Almanaque do São Paulo, de Alexandre da Costa

– Acervo Folha (1)

– Acervo Folha (2)

– futpopclube.com

– noticias.bol.uol.com.br

– esportes.estadao.com.br

– blogdojuca.uol.com.br

Anúncios

Fala!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s