Ringo Starr lança o primeiro álbum solo

Há 45 anos… dia 27 de março de 1970.

Ringo Starr lança o primeiro álbum solo

POR FELIPE FIGUEIREDO MELLO*

É curiosa a imagem que nosso inconsciente coletivo carrega quando pensamos em Ringo Starr. Se não é “With a Little Help From My Friends”, é “Yellow Submarine” a primeira memória que nos emerge à consciência. De todo modo, vem sempre junto a imagem de um cara infantil (no bom sentido!), de um cara que sempre precisou da ajuda dos amigos.

Tantas e tantas foram as coisas que li e vi e ouvi sobre a maior banda de todos os tempos e seus fab four que tendo a pensar sempre que Ringo fez (muito) por merecer toda a ajuda, carinho e compaixão de seus amigos ao longo de sua vida e carreira.

Ringo é um cara do bem, definitivamente.

Último a se juntar aos Beatles, era uma espécie de “apaga-fogo” desde os tempos de Hamburgo, quando ele ainda era baterista do Rory Storm & The Hurricanes, que também se aventurava pela cidade alemã. Apesar de não ter sido o “baterista profissional” escolhido por George Martin para ocupar a vaga nas primeiras gravações dos Beatles e nem o queridinho do público (“Ringo never. Pete Best forever!”), não demorou para ele ser acolhido e aclamado.

E quando digo que Ringo fez por merecer, é porque ele sempre foi o poderoso lubrificante dessa engrenagem de egos do quarteto. Paul, John e George devem muito de suas carreiras ao amigo.

Mas chegou um dia em que não bastava lubrificar a engrenagem. A banda era pequena demais para as ambições pessoais de cada um. E cada um foi para um caminho: Paul foi McCartney, John plasmou-se à sua musa e foi Plastic Ono Band, George ao mesmo tempo aceitava e ditava que All Things Must Pass.

E Ringo teve a sua Sentimental Journey, que hoje comemora 45 anos.

Ao invés de se jogar para frente como os outros três, Ringo foi para o passado. Buscou suas reminiscências anteriores ao Rock’n’Roll nas baladas favoritas de sua mãe e de outros familiares: há canções de Cole Porter (“Night and Day”), Bud Green (“Sentimental Journey”), Mort Dixon (“Bye Bye Blackbird”), Scott Wiseman (“Have I Told You Lately That I Love You?”) e muitos outros.

E para dar forma à ideia, recorreu aos muitos amigos. A sugestão de George Martin, que produziu o disco, foi conceber os arranjos de cada música com um artista/amigo diferente. Entre eles o próprio Martin, Paul McCartney, Quincy Jones e Klaus Voorman.

Essa jornada sentimental inclui até a foto de um pub de Liverpool, localizado perto da casa onde Ringo nasceu, na capa do álbum (olha ele na frente da porta!). A curiosidade é que o pub teve uma reforma financiada pelo próprio Ringo depois do lançamento do álbum.

A crítica da época não recebeu bem o álbum, ainda que todos olhassem Ringo com mais complacência. Nem todos foram capazes de entender o momento do baterista, que saía do turbilhão de emoções que envolveu os últimos momentos dos Beatles. O próprio Ringo diz que o álbum foi “como a primeira porção de carvão jogada na caldeira de um trem, que o coloca centímetros à frente”.

Meses depois, seguindo essa jornada e ainda em 1970, descobrindo-se na folk music americana, gravou e lançou seu segundo álbum solo, Beaucoups of Blues.

Mas essa história fica pra outro dia… Porque todo dia é histórico.

* Felipe Figueiredo Mello também segue a vida com uma pequena ajuda de seus amigos!

Ouça Sentimental Journey:

Fontes:

– Wikipedia

– obaudoedu.blogspot.com.br

– beatlesbible.com

– allmusic.com

– rollingstone.uol.com.br

Anúncios

Fala!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s