Radiohead lança The Bends, o segundo disco

Há 20 anos… dia 13 de março de 1995.

Radiohead lança The Bends, o segundo disco

“Radiohead na sua forma mais palatável”, escreve o amigo LG, pelo whatsapp, ao questioná-lo sobre The Bends, o segundo álbum da banda de Thom Yorke.

Indeed, Mr. Moncau! 

A despeito do farto uso de guitarras, em alguns momentos de forma mais vigorosa, o disco é fácil de ouvir. Um sensível amante de música é fisgado pelas bonitas e introspectivas melodias num piscar de olhos, no trocar das 12 faixas.

“High and Dry”, por exemplo. O violão simples e a intensidade da voz ímpar de Yorke se aliam a batida sincopada de Phil Selway, às guitarras pontuais de Jonny Greenwood e Ed O’Brien e ao baixo minimalista de Colin Greenwood. Bonito e agradável, apesar da letra melancólica. O líder do Radiohead até hoje não engole a música. “It’s not bad… it’s very bad”, disse, em 2007. Mas não adianta: é cativante, é fácil, é palatável, como disse o LG.

Tá certo, Thom. Falemos então da famosa “Fake Plastic Trees”. Ele conta que a letra “apareceu” depois de uma caminhada bêbada na região de Canary Wharf, a leste de Londres, em um lugar com paisagem de plantas artificiais. Daí o nome.

No estúdio, a banda trabalhava com muita dificuldade na faixa. Resolveram fazer uma pausa e ir ao show de Jeff Buckley (da linda versão de “Hallelujah”, de Leonard Cohen). Na volta, hipnotizados pela voz de Buckley, tocaram “Fake Plastic Trees” duas vezes até Thom Yorke cair no choro!

Apenas uma entre tantas histórias sobre o segundo álbum do Radiohead.

Outra é sobre o nome. “The Bends” é uma expressão usada no mergulho para descrever o mal-estar da descompressão após uma rápida subida à superfície. Aqui, o recado é explícito: o sucesso de “Creep” asfixiou a banda, em especial, Yorke. Era preciso descomprimir. Não sem uma certa malaise.

Ao fim e ao cabo, o disco é uma suave e bem sucedida transição do Radiohead rumo ao buraco lisérgico-político-ativista-futurístico ao qual eles se afundariam com desenvoltura e extrema competência a partir de OK Computer, de 1997. 

Mas essa história fica pra outro dia… Porque todo dia é histórico.

The Bends:

Fontes:

– Wikipedia

– allmusic.com

– rollingstone.com

– rollingstone.com (Thom Green, baterista do Alt-J, fala sobre The Bends)

– digitalspy.co.uk

Anúncios

Fala!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s