Ditadura militar decreta o AI-5 no Brasil

Há 45 anos… dia 13 de dezembro de 1968.

O golpe dentro do golpe.

O golpe de misericórdia.

O golpe fatal.

Brasil, dezembro de 1968, sexta-feira 13.

Naquele dia, os militares decretaram o escuro definitivo no Brasil.

O Ato Institucional Nº 5 deu plenos poderes ao Executivo e autorizou o Presidente da República a mandar e desmandar.

Na prática:

– Recesso no Congresso Nacional, em Assembleias Legislativas e em Câmaras de Vereadores por tempo indeterminado.

– Suspensão de direitos políticos de todo e qualquer cidadão por, no mínimo, dez anos.

– Confisco de bens considerados ilícitos.

– Suspensão do habeas-corpus.

Com isso, o País mergulhou em um período definitivo de repressão, censura, tortura e medo.

Os Anos de Chumbo são página triste da História do Brasil, mas precisa ser relembrada, para que nunca mais aconteça.

Vários fatos foram marcantes para que a ditadura militar chegasse ao extremo da supressão total de liberdades.

A história conta que o estopim para o anúncio do AI-5 foi o famoso discurso do deputado Márcio Moreira Alves (MDB), nos dias 2 e 3 de setembro. Alves conclamou o povo a não participar de desfiles militares de 7 de setembro, além de pedir às moças para que se recusassem a sair com milicos.

Outro fator que provocou a ditadura foram os artigos de Hermano Alves, também do MDB, no jornal Correio da Manhã.  O presidente Costa e Silva disse que o discurso de Márcio Moreira Alves e as palavras de Hermano Alves eram intoleráveis. Pediu a cassação dos deputados ao Congresso.

No dia 12 de dezembro, a tensão aumentou quando a Câmara rejeitou, por diferença de 75 votos – com colaboração da própria ARENA, o partido do governo -, a cassação de Moreira Alves. A sessão no Congresso foi histórica.

Um dia depois, o Brasil caiu nas trevas.

O AI-5 seria revogado somente em outubro de 1978, no governo Geisel.

Mas essa história fica pra outro dia… Porque todo dia é histórico.

Em tempo: A brilhante foto do post, ideia do jornalista Almyr Gajardoni e de autoria de Roberto Stuckert, virou genial capa da outrora ótima revista Veja, na edição de 18 de dezembro de 1968.

O próprio Almyr nos conta a história: “Eu só não cliquei a câmera. Costumava ficar ao lado do fotógrafo, na nossa bancada na Câmara, sugerindo fotos incomuns de deputados, inimigos conversando baixinho, conversando, às vezes discutindo, outras dormindo no plenário. Essa do Costa e Silva foi uma delas. Ele era ministro do exército e estava esperando o início da sessão sozinho, isolado, sem ninguém com ele. Trabalhava na Folha de S.Paulo nessa época. Depois, quando era chefe da sucursal da Veja em Brasília, a revista precisou de uma foto desse tipo para aquela capa, lembrei dela e comprei do Roberto Stuckert. Ficamos com medo de enviá-la por malote, temíamos a censura, então o repórter José Carlos Bardawil pegou um avião para o Rio de Janeiro, com a foto escondida dentro da roupa, e assim ela chegou sã e salva em São Paulo. Se não me engano, foi a primeira edição de Veja apreendida, por causa da foto da capa.” 

Veja teaser do documentário “AI-05 – O dia que não existiu”, do jornalista Paulo Markun:

Fontes:

Wikipédia

cpdoc.fgv.br

Anúncios

2 comentários sobre “Ditadura militar decreta o AI-5 no Brasil

Fala!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s