Vinicius & Baden

vina_100

Tom Jobim apresentou a estrada viva e pulsante da música para Vinicius.

Com Carlinhos Lyra, o poeta mergulhou em sua melancolia e explorou outros caminhos e possibilidades.

Baden Powell foi algo completamente novo e diferente.

Foi uma estrada desconhecida, encantadora, a qual o poeta trilhou sem medo, de peito aberto.

Foi uma força energética espiritual, ancestral, primitiva, absorvida por Vinicius como uma água benta. Ou um copo de whisky!

Foi a África, o samba, o subúrbio, o candomblé.

Com um talento tão extraordinário quanto contido, Baden arrebatou Vinicius.

Ao poeta, caberia a missão de traduzi-lo.

Sensível, em vez de decifrá-lo, Vinicius preferiu se despir e se entregar por completo rumo ao misterioso.

Na dessemelhança, elevou o espírito ao mundo das sensações.

8out13

Com a palavra, José Castello:

Vinicius se apaixonou pelo que não tinha. Vigorou, do início ao fim, a ignorância, e não a sabedoria. Mas a divergência foi fundamental. Baden e Vinicius viveram uma daquelas amizades viris meio raras hoje em dia, em que os dois lados não temem a doçura porque ela não os ameaça, mas os engrandece. Vinicius nunca teve medo de dizer que, para ele, Baden era uma pergunta a ser domesticada, e não respondida.

Vinicius & Baden são responsáveis pelo verdadeiro mergulho nas raízes negras e africanas de nossa música. Resultado da profunda incursão da dupla no candomblé, na capoeira e na África, Os Afro-sambas, de 1966, é álbum fundamental na história da cultura brasileira.

Como se escolhidos por uma força maior ou encantados por um feitiço de terreiro, levaram a missão tão a sério que se trancaram por três meses no apartamento de Vinicius, sem ver a luz do dia, até que tudo estivesse pronto.

Do retiro quase espiritual, regado a centenas de garrafas de whisky, nasceram versos e acordes mágicos.

A tristeza tem sempre uma esperança/De um dia não ser mais triste não“Samba da Bênção”

Ah, que não seja meu/O mundo onde o amor morreu“Samba do Veloso”

Fico com o mais representativo dos afro-sambas, “Canto de Ossanha”:

Fontes:

– Biografia Vinicius de Moraes – O poeta da paixão, de José Castello

– Vinicius de Moraes – Livro de Letras, de José Castello

Anúncios

Um comentário sobre “Vinicius & Baden

Fala!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s