Eric Hobsbawm, 100 anos

9 de junho de 1917

Eric John Ernest Hobsbawm foi um historiador em tempo real.

Viveu a História in loco. O frenético século 20 foi seu lar.

Nasceu no ano da Revolução Russa, que marcou a ferro e fogo sua existência, sua ideologia e, claro, seus trabalhos – “Eu pertenço à geração para quem a Revolução de Outubro representou a esperança do mundo” –, morreu já no século seguinte, depois de experienciar guerras, revoluções, prosperidades, crises e fatos inacreditáveis.

Fatos que ele tão bem decifrou. Entre tantas razões, será sempre lembrado por provocar o interesse pela História para além dos bancos da academia, por causa de sua abordagem simples e direta, mas também “romântica”.

O apego ao Marxismo e ao ideário de extrema esquerda, mesmo após reveladas as barbaridades de Stalin, custou caro, mas não a ponto de arranhar definitivamente a reputação de grande intelectual e pensador, de perspicaz observador e de extraordinário historiador. (A não ser para certa revista destes tristes trópicos…)

Os obituários de 2012 comprovam a tese e revelam a admiração e o respeito dos mais diversos veículos pelo homem de ascendência judaica nascido em Alexandria, Egito, filho do inglês Leopold e da austríaca Nelly.

Da liberal Economist ao centro-esquerdista Guardian, Hobsbawm foi unanimemente louvado:

“Essa marca marxista ameaçou manchar sua reputação, quando seus livros lúcidos e acadêmicos sobre o que ele chamou de longo século 19, de 1789 a 1914 (A Era da Revolução, A Era do Capital, A Era do Império), sobre nacionalismo e movimentos trabalhistas mereciam, e ganharam, uma audiência muito além dos círculos esquerdistas e da academia” – Economist.

“Eric Hobsbawm foi um dos principais historiadores do Reino Unido e um dos mais importantes intelectuais do último meio século. Sua vida e obras foram moldadas por seu compromisso emocional com o socialismo radical” – BBC.

“Se Eric Hobsbawm morresse há 25 anos, os obituários o descreveriam como o historiador marxista mais destacado da Grã-Bretanha e o situariam mais ou menos lá. No entanto, no momento da sua morte, aos 95 anos, ele alcançou uma posição única na vida intelectual do país. Em seus últimos anos, tornou-se indiscutivelmente o historiador mais respeitado da Grã-Bretanha, reconhecido – se não aprovado – à direita e à esquerda, e um entre um pequeno punhado de historiadores de qualquer época a desfrutar de um verdadeiro renome nacional e mundial” – Guardian.

À parte a História, sua “grande musa”, adorava o jazz da primeira metade do século 20. Aliás, por um bom período da vida foi “sustentado” pela música, pois teve uma coluna semanal no New Statesman. Assinava sob o pseudônimo de Francis Newton.

“O entendimento da História é o que eu busco, não consentimento, aprovação ou simpatia”, escreveu, em suas memórias.

Sem a inquieta, apaixonada e diligente investigação de Eric Hobsbawm, o mundo seria mais obscuro e incompreensível.

Entrevista na GloboNews, no fim dos anos 1990:

Fontes e +MAIS:

– Wikipedia

– Wikipédia

– economist.com

– theguardian.com

– acervo.oglobo.globo.com

– cultura.estadao.com.br

– bbc.com

– nytimes.com

– thenation.com

– veja.abril.com.br

Anúncios

Fala!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s