O dia em que Rivellino vestiu a camisa da Lusa

Há 45 anos… dia 16 de janeiro de 1972.

O dia em que Rivellino vestiu a camisa da Lusa

“O torcedor da Portuguesa saiu satisfeito ontem à tarde do novo estádio no Canindé, depois da vitória do seu time contra o Zeljeznicar (Ferroviário), da Iugoslávia, por 2 a 0. Foi, no entanto, uma satisfação decorrente do bom futebol da equipe, além da inesperada participação de Rivelino (sic), do Corinthians, nos primeiros 40 minutos.”

Rivellino na Lusa, quatro décadas e meia atrás…

Anos antes de vestir a camisa do São Paulo – leia nos posts relacionados -, o “Maloca” envergou a número 8 rubro-verde. E marcou o seu… de pé direito! Antes de o chutaço vencer o arqueiro Janjus, um elástico de canhota para entortar o zagueiro Bratic. Marca registrada.

Foi uma “inesperada participação”, como relatou a Folha no dia seguinte ao jogo contra o fraco Zeljeznicar, clube de Sarajevo, hoje capital da Bósnia-Herzegovina, antigamente uma cidade parte da Iugoslávia.

O duelo contra os iugoslavos fez parte de uma série de amistosos para a inauguração da nova arquibancada do novo estádio, à época chamado Independência, hoje conhecido como Canindé (oficialmente, Estádio Doutor Osvaldo Teixeira Duarte).

Uma semana antes da vitória sobre o Zeljeznicar, a Lusa de Rubens Minelli fora derrotada pelo Benfica por 3 a 1. Então, para não fazer feio no segundo prélio, correu atrás de reforços. Pesos-pesados da bola!

Conta reportagem do UOL Esporte de 2014, assinada por Vagner Magalhães (link abaixo), que o jornalista Orlando Duarte fez a intermediação para que Riva vestisse a camisa da Portuguesa. Amigo do então presidente, o próprio Osvaldo Teixeira Duarte, e conselheiro da Lusa, Duarte entrou em contato com o radialista José Italiano, amigo de Rivellino, depois de ouvir a ideia do mandatário do clube.

“As diretorias dos dois clubes entraram em acordo e Rivellino jogou”, relembra Duarte, na matéria do UOL. Segundo ele, Carlos Alberto Torres também foi chamado, mas não pôde comparecer por questões de calendário.

Ao final, o saldo não podia ser mais positivo: a Portuguesa passeou, venceu por 2 a 0 (primeiro gol foi marcado por Valdomiro) e todos saíram satisfeitos, como conta a Folha de S. Paulo. Bem, todos menos os iugoslavos!

Uma semana mais tarde, outro craque de um rival vestiria o manto rubro-verde. César Maluco, centroavante do Palmeiras, atuou também por quase um tempo na vitória sobre a Hungria, 2 a 0. Ao contrário de Rivellino, porém, César não deixou o seu.

Mas essa história fica pra outro dia… Porque todo dia é histórico.

Os gols do jogo:

Fontes e +MAIS:

– Acervo Folha

– esporte.uol.com.br

– ocuriosodofutebol.com.br

– acervodabola.com.br

Anúncios

Fala!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s