Jânio Quadros é eleito prefeito de São Paulo

Há 30 anos… dia 15 de novembro de 1985.

Jânio Quadros é eleito prefeito de São Paulo

Eram favas contadas: Fernando Henrique seria o novo alcaide de São Paulo. Um dia antes do pleito, o candidato do PMDB já havia até se sentado na cadeira de prefeito, então pertencente ao colega Mário Covas, que, por sua vez, tinha sido indicado para o cargo pelo governador Franco Montoro, vencedor das primeiras eleições diretas no País depois de 20 anos, em 1982.

Com mais uma vitória, o Partido do Movimento Democrático Brasileiro poderia se consumar como um PRI brasileiro, o partido que dominava a política mexicana já há 60 anos àquela época, como relatava a reportagem de Clóvis Rossi, sobre aquele 15 de novembro de 1985. Não deu.

Assim como jogo de futebol, eleição não se ganha de véspera.

E o povo paulistano elegeu Jânio da Silva Quadros!

“É isso aí”, estampou o Jornal da Tarde, com foto, digamos, indecorosa, do ex-presidente da República. “Jânio Quadros foi eleito. O governo Montoro e o deputado Ulysses Guimarães são os grandes derrotados”, dizia a legenda, na mesma toada da matéria de Clóvis Rossi na Folha.

Jânio venceu com 39,3% dos votos válidos, uma vantagem de 4% sobre Fernando Henrique (35,3%). Eduardo Suplicy, já deputado federal pelo recém-fundado PT, obteve 20,7% dos votos. Aliás, diz-se que a campanha de ataque do PT ao candidato do PMDB ajudou na ascensão e no triunfo de Jânio.

Outros fatores, no entanto, acabaram sendo mais relevantes e fundamentais para a derrota de Fernando Henrique. Político safo, populista e extremamente habilidoso, Jânio associou o candidato do PMDB ao socialismo (!), por causa de seu passado como sociólogo supostamente de esquerda, além de dizer que FH era ateu e maconheiro (!).

No outro lado da moeda, Fernando Henrique não conseguiu se desvencilhar dos rótulos atribuídos a ele, por mais inverossímeis que fossem. Em entrevista a Boris Casoy, foi surpreendido com a capciosa questão “você acredita em Deus?”. Não soube responder, e, pior, gaguejou e ainda retrucou o jornalista, dizendo que havia combinado que não se falaria sobre o assunto.

Pra completar, o peemedebista se sentou na cadeira de prefeito, tirou fotos mostrando o mapa de São Paulo e posou como virtual prefeito. Erro crasso.

Mais de 30 anos após ter sido eleito prefeito da capital paulista e mais de 20 anos após renunciar ao cargo mais alto do executivo, Jânio Quadros chegava ao gabinete da maior cidade do Brasil e da América Latina novamente. Não sem antes desinfetar a cadeira, que havia sido usada por “nádegas indevidas”, como o próprio e folclórico afirmou.

Ele concluiu o mandato em 1988 e, dois anos depois, sofreu grande abalo pessoal quando Eloá, a mulher e eterna companheira, veio a falecer. Jânio Quadros partiria em 1992.

Mas essa história fica pra outro dia… Porque todo dia é histórico.

Entrevista de Jânio Quadros, já eleito prefeito:

Programa de campanha de Jânio:

Fontes e +MAIS:

Wikipédia

Acervo Estadão

Acervo Folha

– acervo.estadao.com.br

– viomundo.com.br

– jovempan.uol.com.br

– revistaforum.com.br

Anúncios

Um comentário sobre “Jânio Quadros é eleito prefeito de São Paulo

Fala!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.