Alemanha é tricampeã do mundo

Há 25 anos… dia 8 de julho de 1990.

Alemanha é tricampeã do mundo

Gol da Alemanha. Um ano atrás, foram 7. Há um quarto de século, só 1. E de pênalti!

Como bem observou o jornalista germânico-brasileiro, o grande Gerd Wenzel, hoje a terra de Beethoven não rememora o famigerado 7 a 1, mas sim um outro jogo de futebol: a final da Copa do Mundo de 1990, na Itália.

Vinte e cinco anos atrás, Andreas Brehme anotou o tento do tricampeonato mundial da Alemanha. Com frieza e categoria, ele superou o ágil Sergio Goycochea, sensação das cobranças de pênalti, surgido no meio daquele mundial.

Após dois vices seguidos, os comandados de Franz Beckenbauer celebraram o terceiro caneco e deram a volta olímpica, no Olímpico de Roma. Maradona e a Argentina choraram pelo segundo lugar, em um jogo cheio de polêmica e arbitragem hesitante do mexicano Edgardo Mendez.

Na Copa considerada “maldita” ou, ainda, “a mais chata de todas”, prevaleceu a organização tática de um escrete correto, mas não brilhante. O título coroou a geração do capitão Lothar Matthäus, símbolo do time e jogador-modelo à época. Ora líbero, ora meia, ora zagueiro, o camisa 10 multifuncional anotou 4 gols no torneio e liderou a equipe de melhor ataque e de uma sólida defesa. Os centroavantes Klinsmann e Voeller colaboraram com mais 3 cada, mesmo número de Brehme, autor do mais importante.

A campanha de 7 partidas começou com duas goleadas, sobre Iugoslávia (4 a 1) e Emirados Árabes (5 a 1). No terceiro jogo da primeira fase, empate por 1 a 1 com a Colômbia.

Nas oitavas, vitória por 2 a 1 diante da Holanda. Novo triunfo contra a Tchecoslováquia (1 a 0, gol de Matthäus, de pênalti) levou os germânicos às semifinais. A Inglaterra, mais uma vez, sucumbiu: 4 a 3 na decisão por penais, depois de 1 a 1 no tempo normal e prorrogação.

Na decisão, a saborosa desforra contra a Argentina de Diego Maradona e Carlos Bilardo. Uma partida sem graça para o mundo. Inesquecível para o povo alemão, que estendia para o campo o momento otimista vivido no país. Uma nação reunificada, reencontrada com si mesma, vislumbrando um futuro próspero. Nunca houve momento tão propício para festejar! Haja cerveja…

Vinte e quatro anos depois, o tetra. Com direito a massacre nos anfitriões e pentacampeões na semifinal e nova vitória diante da Argentina, dessa vez de Lionel Messi, na decisão.

Mas essa história fica pra outro dia… Porque todo dia é histórico.

Resumo da final, transmissão da Globo:

Fontes:

– Acervo Estadão

– Acervo Folha

– Wikipedia

– Wikipédia

– copadomundo.uol.com.br

– imortaisdofutebol.com

– fifa.com

Anúncios

Fala!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s