Morre o escritor José Saramago

Há 5 anos… dia 18 de junho de 2010.

Morre o escritor José Saramago

POR NETA MELLO*

Há cinco anos, o mundo perdeu José Saramago. Não que quisesse partir. Pediu que a vida lhe desse um tempo extra para ficar com a amada Pilar Del Río, com quem se casou em 1988. Os dois viviam desde 1993 numa casa na ilha de Lanzarote, no arquipélago das Canárias, Espanha.

Mas, como em seu livro Intermitências da morte, em que a própria morte é personagem principal, ela mostrou-se inexorável.

Partiu o filho e neto de camponeses analfabetos. José foi o primeiro da família a aprender a ler e escrever, conta ele em Pequenas Memórias. Esta autobiografia foi um projeto de vinte anos em que Saramago lembra da infância e da adolescência. Tinha pena da avó, que se abraçava às arvores do quintal da casinha em que moravam na aldeia de Azinhaga, província de Ribatejo, em Portugal, antes da mudança da família para Lisboa. Descreve a cena de maneira poética.

A história da família entranhada pela vida e pelos livros. Aprendeu com o avô a cuidar dos porcos e a observar o céu estrelado. A sabedoria dos homens simples. Confessou que escrever sobre a própria vida e lembrar acontecimentos do passado foi doloroso.

Foi também o único da família a frequentar uma escola. Primeiro, o liceu, depois o secundário. Por problemas econômicos, teve que parar os estudos e arrumar um emprego. Até chegar à literatura, trabalhou como serralheiro, desenhista, funcionário da saúde e previdência social em Lisboa. Trabalhou, depois, como tradutor, editor, jornalista e crítico literário.

Em 1947, publicou o romance Terra do pecado. Outros viriam a partir de 1966. Em 1991, O Evangelho segundo Jesus Cristo provocou debate mundial sobre a versão de Saramago da vida de Cristo. O autor se dizia ateu. Anos mais tarde, escreveria Caim.

Entre os sucessos editoriais do autor, Ensaio Sobre a Cegueira é dos mais vendidos e traduzidos. O filme “Blindness”, de Fernando Meirelles, conseguiu uma façanha quase impossível: levar para a telona de maneira muito fiel ao livro uma história sobre o quê deixamos de enxergar na vida.

(Escritor e cineasta assistem ao filme juntos. O cineasta, como um adolescente, espera a reação do escritor, em cena retratada pelo filho de Meirelles, Quico: Meirelles.)

Em 1998, foi publicado O Conto da Ilha Desconhecida, que pode ser considerado a primeira leitura para iniciantes de Saramago.

O que se pode afirmar com certeza é que José Saramago é adorado, lido e relido por metade dos leitores no mundo. A outra metade, não leu, não gostou e não entendeu esse gênio da língua portuguesa.

Recebeu o Prêmio Nobel de Literatura em 1998. Primeiro e único de um escritor lusófono. Além de romances e contos, escreveu poesia, teatro, crônicas e diários. Teve também um blog na internet. Trecho de post de 28 de abril de 2009:

“Habituei-me a ser o que a memória fez de mim e não estou de todo descontente com o resultado, ainda que os meus actos nem sempre tenham sido os mais merecedores. Sou um bicho da terra como qualquer ser humano, com qualidades e defeitos, com erros e acertos, deixem-me ficar assim. Com a minha memória, essa que eu sou. Não quero esquecer nada.”

“Saudade” só existe em Português…

* Neta Mello, 60 anos, é historiadora e escritora. Tem quatro livros publicados e escreve no Blog da Neta.

Vale assistir ao filme “José e Pilar” (Miguel Gonçalves Mendes), de 2010, sobre os últimos tempos do casal em Lanzarote:

+MAIS:

josesaramago.org

Wikipédia

brasil.elpais.com

rtp.pt

companhiadasletras.com.br

Anúncios

Fala!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.