James “Buster” Douglas derruba Mike Tyson

Há 25 anos… dia 11 de fevereiro de 1990.

James "Buster" Douglas derruba Mike Tyson

Tyson na lona.

A foto-legenda na capa da edição de 24 de janeiro do Estadão mostrava algo inédito e surpreendente: o supercampeão dos pesados no chão, pela primeira vez. Nocauteado pelo sparring Greg Page durante treino em Tóquio, Tyson, 37 vitórias, 34 por nocaute, desdenhou: “Ninguém pode me derrubar”.

Era o prenúncio, o presságio, o prelúdio da maior zebra da nobre arte.

A data de 11 de fevereiro de 1990 entrou para a história do boxe e do esporte mundial como o dia em que Mike Tyson foi derrotado pela primeira vez.

Uma derrota e tanto, amigos! Uma surra que o campeão nunca havia experimentado.

Do soar do gongo inicial até o momento em que beijou a lona, a 1min52s do fim do 10º round, Tyson teve somente um momento para respirar dos golpes do desafiante: no oitavo assalto, após um gancho de direita, derrubou o adversário. Só aí, Tyson esteve protegido das pancadas do grandalhão James “Buster” Douglas.

E, afinal, quem era James “Buster” Douglas? Aos 29 anos, seis a mais do que o campeão, tinha cartel de 29 vitórias, quatro derrotas e um empate. Com 1,91m de altura e 105kg, mãos enormes, era um boxeador de grande talento e potência, com um jab pesado e ótima agilidade para o seu tamanho. Sofria, porém, de falta de dedicação. Preguiçoso e mal preparado, parecia ter destino do anonimato no esporte.

Destino que trataria de escrever trama surrealista para Douglas. Um roteiro de Rocky Balboa, com quem a revista Sports Illustrated o comparou depois da zebra no Tokio Dome, no Japão.

Pouco antes do desafio de sua vida, James “Buster” Douglas perdeu a mãe, viu a esposa ficar doente seriamente nos rins e, pra completar, pegou uma forte gripe na véspera do combate.

Diante de tais sofridas circunstâncias, a impossível e improvável vitória sobre o indestrutível Mike Tyson significaria a superação incrível do “underdog”, o script perfeito para Hollywood, a eterna e velha trajetória da resiliência do homem da América.

Pois lá foi “Buster” Douglas ser droite na vida! E que direita ele usou para derrubar o campeão! Um gancho poderoso que acertou a cabeça de Tyson em cheio. Uma sequência especial de jabs, upper cut, esquerda, direita e esquerda. Série mágica, de manual da nobre arte.

Mike Tyson desabou de costas e colou no tablado. A muito custo – e já com a contagem do juiz Octavio Mehran iniciada -, ficou de quatro na lona, tentando se reerguer. Choque no Tokio Dome.

Com a luva direita, o campeão recolocou desajeitadamente o protetor bucal entre os dentes, olhar perdido, retinas reviradas. No que se recompôs de pé, Mehran ergueu os braços e decretou o fim.

Uma cena kafkiana, surrealista, congelada em abraço igualmente irreal entre Mehran e Tyson.

Inacreditável. Extraordinário. Surpreendente.

Poucos meses, capas de revista, matérias de TV, baladas, noitadas, festas, mulheres e alguns milhões na conta bancária depois, James “Buster” Douglas seria nocauteado por Evander Holyfield, em combate que durou três rounds.

Mas essa história fica pra outro dia… Porque todo dia é histórico.

Veja a luta na íntegra (vale a pena!):

Fontes e +MAIS:

Wikipedia

esportes.estadao.com.br

sports.espn.go.com

dailymail.co.uk

articles.latimes.com

nytimes.com

espn.uol.com.br

nytimes.com (outro)

Fala!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.