De Klerk legaliza CNA e abre caminho para libertação de Mandela

Há 25 anos… dia 2 de fevereiro de 1990.

De Klerk legaliza CNA e abre caminho para libertação de Mandela

Cidade do Cabo, capital legislativa da África do Sul.

Ainda sob o regime do apartheid, o país se encontrava nas ruas naquele 2 de fevereiro.

Negros e brancos, simpatizantes do Congresso Nacional Africano (CNA), repórteres e jornalistas da imprensa internacional, todos se misturavam no centro da capital e fora do prédio do Parlamento.

Na Catedral de St. George, o arcebispo Desmond Tutu reunia seus fiéis.

Todos esperavam pelo grande anúncio: a libertação de Nelson Mandela, há 28 anos encarcerado pelo regime opressor.

Mas Frederik De Klerk, que assumira a presidência em agosto de 1989, com palavras conciliadoras e de aproximação aos movimentos antiapartheid, frustrou a todos.

No discurso de abertura dos trabalhos do Congresso, De Klerk anunciou medidas importantes, como a legalização do CNA de Mandela, do Partido Comunista e de outros movimentos antiapartheid, além da libertação de presos políticos, do fim à censura e da suspensão de penas capitais.

A libertação de Mandela não entrou no discurso. Foi um anticlímax.

De Klerk tinha uma estratégia.

“Eu tinha decidido minimizar isso (libertação de Mandela) em meu discurso. Eu sabia que a imprensa mundial estava lá, não porque queriam me ouvir falar, mas porque queriam testemunhar a libertação de Nelson Mandela. Mas eu queria que eles se concentrassem nas decisões fundamentais que havíamos tomado e julgá-las em seus méritos, e diminuir e ofuscar todo o pacote”, revelou, 20 anos depois, em 2010, à reportagem do Independent. 

O próprio Mandela não queria sair da prisão. E disse isso a ministros próximos do presidente. Julgava que precisava de mais tempo. Mas não esperava que De Klerk fosse adiar o anúncio. Na verdade, ele citou o líder antiapartheid e disse que a liberdade de Mandela seria decidida em breve.

A tática deu certo. Os olhos da mídia se voltaram ainda mais para a África do Sul e De Klerk pavimentou terreno para que as mudanças anunciadas fossem aceitas e colocadas em prática. O presidente ganhou tempo e o Congresso. Além, claro, de aplacar os apoiadores do regime de segregação, sedentos pela permanência do apartheid.

Nelson Mandela sairia da prisão 9 dias depois, em 11 de fevereiro.

Mas essa história fica pra outro dia… Porque todo dia é histórico.

Ouça o discurso de Frederik De Klerk: 

Fontes:

Acervo Estadão

sahistory.org.za

independent.co.uk

abcnews.go.com

Anúncios

Fala!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s