Abraham Lincoln discursa em Gettysburg

Há 150 anos… dia 19 de novembro de 1863.

Receita simples para um discurso histórico:

  • Escolha palavras fortes, como “liberdade”.
  • Evoque e exalte a nação e seu povo.

  • Seja breve e direto, porém eloquente.

Talvez Abraham Lincoln, o 16º presidente da história dos Estados Unidos, tenha reunido, em apenas 273 palavras, a receita perfeita para o discurso histórico. Na tarde de 19 de novembro de 1863, em Gettysburg, Pensilvânia, ele proferiu a mais famosa palestra da História americana.

No local da mais importante e sangrenta batalha da Guerra Civil, poucos meses antes, evocou os princípios de igualdade da Declaração da Independência dos EUA, lembrou dos mortos do conflito e clamou para que “esta nação, com a graça de Deus, renasça na liberdade, e que o governo do povo, pelo povo e para o povo jamais desapareça da face da terra.”

O discurso fez parte da cerimônia oficial de dedicação do Cemitério Nacional de Gettysburg aos mortos na Guerra de Secessão. O curioso é que, segundo consta, não estava programada uma fala do presidente naquele dia.

Uma “quebra de protocolo” histórica.

As palavras de Lincoln estão no memorial em sua homenagem, na capital Washington, e são frequentemente citadas, relembradas e revisitadas por políticos americanos, como Martin Luther King.

Aqui estão elas:

Oitenta e sete anos atrás, nossos antepassados criaram neste continente a uma nova nação, concebida na Liberdade e consagrada no princípio de que todos os homens nascem iguais. 

Encontramo-nos atualmente empenhados em uma grande guerra civil, pondo à prova se essa nação, ou qualquer outra nação assim concebida e consagrada, poderá perdurar. Estamos em um grande campo de batalha dessa guerra. Viemos para dedicar uma parte desse campo ao derradeiro repouso para aqueles que, aqui, deram a sua vida para que essa nação pudesse sobreviver. É perfeitamente apropriado e justo que assim o façamos. 

Mas, em sentido mais amplo, não podemos dedicar, não podemos consagrar, não podemos santificar este solo. Os valentes homens, vivos e mortos, que aqui combateram já o consagraram, muito além do que nós jamais poderíamos acrescentar ou subtrair com nossos fracos poderes. 

O mundo pouco se atentará, e tampouco recordará o que aqui dissermos, mas não poderá jamais esquecer o que eles aqui fizeram. 

Cabe a nós, antes, a nós, os vivos, portanto, dedicar nossas forças à tarefa inacabada que aqueles que aqui combateram e que conduziram adiante com tamanha nobreza até agora… Que, dos mortos a quem honramos, adquiramos devoção ampliada à causa pela qual sua dedicação foi expressa da maneira mais plena; que nós aqui possibilitemos, de forma mais altaneira, que esses mortos não tenham dado a vida em vão; que esta nação, com a graça de Deus, renasça na liberdade, e que o governo do povo, pelo povo e para o povo jamais desapareça da face da terra.

Ao contrário do que imaginava Lincoln, o mundo se atenta e se recorda recorrentemente de suas palavras.

Ele morreria pouco menos de dois anos depois, assassinado por John Wilkes Booth, um simpatizante da Confederação.

Mas essa história fica pra outro dia… Porque todo dia é histórico.

Ouça o discurso de Abraham Lincoln em Gettysburg:

Fontes:

– Livro Líderes e Discursos que Revolucionaram o Mundo – introdução de Simon Sebag Montefiore

– Wikipedia

– history.com

Anúncios

Fala!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s