Otis Redding rouba a cena no segundo dia em Monterey

17 de junho de 1967

A explosiva Janis Joplin à frente da Big Brother and the Holding Company, em uma de suas primeiras apresentações a um grande público.

O Jefferson Airplane completamente à vontade, em inesquecível set list, abrindo com “Somebody to Love”.

Os Byrds em performance política, com David Crosby relembrando o assassinato de Kennedy e oferecendo o puro rock and roll psicodélico, com direito a versão de “Hey Joe”.

Canned Heat, Country Joe and the Fish, The Electric Flag, Quicksilver Messenger Service, Steve Miller Band, Moby Grape. Todas bandas locais, “jogando em casa”. Al Kooper, The Butterfield Blues Band, Laura Nyro, Hugh Masekela, Booker T. & the M.G’s…

À primeira vista, o pesado line-up do segundo dia do Festival de Monterey sugere uma divisão de protagonismo.

Não foi o que aconteceu.

Claro, todos os citados ofereceram grandes shows, sem dúvida.

Mas o homem do dia – ou melhor, da noite – foi Otis Ray Redding Jr.. Com quase 26 anos de idade, o soulman nascido na Geórgia teve em Monterey o primeiro encontro com uma plateia predominantemente branca.

Na companhia classuda de Booker T. & the M.G.’s, Redding fechou o dia 17 com energia, alegria e muito amor. O amor que ele pediu e recebeu de volta da plateia.

“Esta é a galera do amor, certo? Todos nos amamos, né? Estou certo? Quero ouvir vocês dizerem sim, então!”, suplicou o elétrico Big O, pouco antes da balada “I’ve Been Loving You Too Long”, uma parceria com Jerry Butler.

Aliás, das cinco canções apresentadas, somente esta e a anterior (“Respect”, que tinha acabado de estourar na voz de Aretha Franklin) eram dele. Redding abriu o show com “Shake”, de Sam Cooke, e ainda mostrou a sua versão ímpar de “Satisfaction”, carregada de metais.

A última música talvez seja a responsável por tornar a performance histórica e memorável. “Try a Little Tenderness” (Harry M. Woods, Jimmy Campbell, Reginald Connelly) deixou a plateia em absoluto silêncio, mesmerizada e petrificada de ternura, hipnotizada pela voz inigualável de Redding e pelo instrumental preciso de Booker T. e dos M.G.’s.

Sensacional.

“Eu acho que fizemos um dos nossos melhores shows, Otis e os M.G.’s. O fato de termos sido abraçados pelo público foi também um fenômeno. Nós estávamos lá? Com essas pessoas? Elas estavam nos aceitando e essa foi uma das coisas que realmente emocionaram Otis. Ele ficou feliz por estar incluído e o show o levou a um novo público. Foi amplamente expandido em Monterey”, diria Booker T. tempos depois, sobre aquela histórica noite.

Foi o último grande concerto de Otis Redding, que partiria cedo demais, em acidente aéreo, ainda em dezembro daquele ano.

Amanhã tem Hendrix e The Who, entre outras cositas más…!

Otis Redding:

The Byrds:

“Ball and Chain”, com Janis Joplin e Big Brother and the Holding Company:

“Somebody to Love”, do Jefferson Airplane:

Fontes e +MAIS:

– Wikipedia

– Wikipédia

– seemonterey.com

– nytimes.com

– latimes.com

– library.rockhall.com

– sfgate.com

– variety.com

– thecalifornian.com

– celsobarbieri.co.uk

– rollingstone.com

– bestclassicbands.com

– billboard.com

– npr.org

– consequenceofsound.net

– pastemagazine.com

 

 

Anúncios

Fala!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s