Pink Floyd lança The Dark Side of The Moon no Reino Unido

Há 45 anos… dia 23 de março de 1973.

Antes do post, um breve “até breve”!

O leitor mais atento e assíduo deste efemérides certamente notou o sumiço deste que vos bloga, o éfemello.

Pois é.

Grande parte da explicação – talvez toda – está aqui, no post de 13 de dezembro de 2017, quando me retirei do papel de escrevinhador e imaginei um emotivo e afetivo cenário de futuro pai.

Bem, o futuro chegou e o presente é um menino incrível, cabeludinho, olhinhos um tanto puxados como o pai, narizinho esculpido como o da mãe. Uma bênção.

A chegada do Francisco invadiu nossas vidas de alegria e é preciso parar. Parar no presente e absorver cada segundo do agora. Como se faz com o solo de David Gilmour em “Time”!

Depois de 4 anos e meio, mais de 1.700 posts, muita raça e muito trabalho, o efemérides do éfemello pausa.

A pausa não poderia acontecer com melhor post. O texto que deu o estalo para lançar este blog (como explicado na seção “Sobre”), escrito em 2013, publicado no site da Brasileiros, por ocasião dos 40 da obra-prima do Pink Floyd.

Por conta dessas coisas inexplicáveis do mundo virtual, as palavras sumiram na poeira.

Então, para encerrar o ciclo da mesma maneira que começou (“And in the end it’s only round ‘n round…”), eis o texto.

I see you in the Dark Side of The Moon!



O tio quarentão

A revista britânica Q disse, certa vez, que era virtualmente impossível que se passe um minuto sem que The Dark Side of The Moon toque em algum lugar do planeta.

Possivelmente, a revista está certa.

Com quase 40 milhões de unidades vendidas no mundo todo (sem contar os downloads!), a maior de todas as obras-primas do Pink Floyd atravessou o tempo.

E lá se vão quarenta anos desde o lançamento, em 1º de março de 1973 (no Reino Unido, o álbum chegou às lojas no dia 23).

Para cada nova geração de adolescentes transpirando dúvidas, angústias, descobertas e curiosidades, em qualquer lugar do globo, lá estará Dark Side para mostrar o caminho. Para apresentar o que, de fato, é o ser humano e a vida.

Assim, o disco alcançou o status de eternidade.

Tempo. Dinheiro. Sonhos. Nós. Eles. Loucura. Riqueza. Pobreza. Guerra. Paz. Vida. Morte.

Tudo está lá. Com espantosa lucidez, o álbum apresenta os temas fundamentais e transita entre a melancolia trágica e o otimismo redentor.

“O potencial que os seres humanos possuem para reconhecer a humanidade do outro, e sua resposta a isso, com empatia, e não antipatia”, disse Roger Waters, o gênio genioso por trás das composições de Dark Side.

“Breathe, breathe in the air, don’t be afraid to care!” 

“Hanging on in quiet desperation is the english way.” 

“Money it’s a hit”. 

“With, without, and who’ll deny that’s what the fightings all about”.

Letras com uma atualidade assombrosa.

Claro, as melodias também estão lá.

O que dizer de “The Great Gig in The Sky”, o encontro do delicado piano de Richard Wright com a voz celestial de Clare Torry?

E do solo sensual da guitarra de David Gilmour em “Time”?

Ou da bateria de Nick Mason em “Money”, uma aula de ritmo e precisão?

Ou ainda da visão futurística de “On The Run”, a primeira música com elementos da eletrônica?

Letras e melodias floydeanas (e freudianas!) que conversam, em silêncios e hiatos de uma beleza etérea, divina, onírica.

Um clássico.

Dark Side é o tio quarentão que mostra ao sobrinho adolescente como o mundo pode ser triste e, ao mesmo tempo, assustadoramente belo.

Vida eterna ao tio quarentão.

P.S.1: Para saber mais sobre Dark Side, recomendo o livro “The Dark Side of The Moon – os bastidores da obra-prima do Pink Floyd”, de John Harris. Partes deste texto foram inspirados no ótimo trabalho de Harris, que traz ainda muitas curiosidades sobre o disco. Outra recomendação é o documentário Classic Albums.

P.S.2: O blog usa o site oficial da banda – link abaixo – para determinar este 23 de março como data de lançamento do disco no Reino Unido.

P.S.3: 

All that is now

All that is gone

All that’s to come

and everything under the sun is in tune

but the sun is eclipsed by the moon

A obra-prima:

 Fontes e +MAIS:

– pinkfloyd.com

– Wikipedia

– Wikipédia

– rollingstone.com

– allmusic.com

– ultimateclassicrock.com

– vogue.com

– theguardian.com

– billboard.com

Anúncios

Fala!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.