“Annie Hall” estreia nos Estados Unidos

Há 40 anos… dia 20 de abril de 1977.

POR MARINA MELLO*

“A única certeza absoluta que o homem tem é que a vida não tem sentido.” – Tolstoi

Se a nossa mente pudesse ser conectada por um gravador e captássemos tudo o que se passa lá dentro, comporíamos mais ou menos um roteiro de um filme de Woody Allen. Ou seríamos a perfeita mistura das sinapses de Alvy Singer e Annie Hall.

“Annie Hall” – em português insolitamente traduzido por “Noivo Neurótico, Noiva Nervosa” – é, para mim, um dos melhores filmes do diretor. Não por ter competido a várias estatuetas do Oscar, mas, sim, por transbordar recursos cinematográficos e nos fazer deitar num enorme divã coletivo.

Logo no início do filme somos convidados a entrar na cabeça de Alvy e a investigar sua infância em Coney Island, mais precisamente debaixo de uma montanha-russa. Não é só uma metáfora. Semi-nauseados nos sentimos ao tentar acompanhar os altos e baixos do relacionamento de Annie e Alvy.

Ele é um humorista judeu, divorciado e quarentão, que faz análise há quinze anos. E ela é uma cantora insegura, em início de carreira. Como qualquer casal normal, tentam descobrir um ao outro e conviver com suas semelhanças e diferenças.

Logo na abertura, Alvy conta para a câmera o término de seu relacionamento, clamando por socorro. Tamanha é a empatia do outro lado da telona que ele parece ao nosso lado, pedindo conselhos a um velho amigo.

Então, nesse grande divã, tentamos superar juntos a crise conjugal dos dois, mesmo desconfiando que a química ali pode resultar em explosão nuclear.

Mas quem nunca insistiu num amor até finalmente enxergar a gigante nuvem de cogumelo?

* Marina Mello é cineasta. Mais do que apaixonada por cinema, é fascinada pelo poder que existe na fusão de som, texto e imagem.

Trechos

“Veja toda essa gente correndo, tentando evitar a inevitável decadência do corpo…. Talvez os poetas estejam certos, talvez o amor seja a resposta.”

“E Freud, aquele pessimista. Fiz análise durante anos, e não deu em nada. Meu analista ficou tão frustrado que abriu um restaurante.”

“Me lembrei de uma velha piada. O cara vai ao psiquiatra e diz: ‘Doutor, meu irmão é louco. Ele acha que é uma galinha’. E o doutor diz: ‘Por que você não o interna?’. E o cara responde: ‘Eu até internaria, mas preciso dos ovos’. É mais ou menos o que sinto sobre relacionamentos. São totalmente irracionais, loucos e absurdos. Mas nós vamos aguentando porque precisamos dos ovos.”

Trailer:

Uma das cenas que usa e abusa de recursos cinematográficos:

Início do Filme:

+MAIS:

– Wikipedia

– Wikipédia

– IMDb

– rogerebert.com

– theguardian.com

– mentalfloss.com

– brasil.elpais.com

– vice.com

Anúncios

Fala!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s