The Clash lança “White Riot” no Reino Unido

Há 40 anos… dia 18 de março de 1977.

“Essa é em ‘lá’, você sabe!”, diz, para provocar o velho amigo, que estava na plateia acompanhando o show.

Então, guitarra empunhada, o companheiro solta a contagem: “um, dois, três, quatro!”. E eles tocam juntos pela última vez.

No derradeiro encontro de palco, Joe Strummer e Mick Jones relembraram “White Riot”, o primeiro single.

Um mês depois, Joe partiria. Mas essa história, você sabe…

Hoje é dia de falar sobre o compacto de estreia da “única banda que importa”, lançado há 40 anos.

Conta o site oficial:

Este single de estreia foi inspirado pelos motins de Notting Hill que aconteceram em agosto de 1976, quando Joe Strummer e Paul Simonon foram surpreendidos em meio ao caos. Agitado pelo protesto que tinha explodido entre jovens negros e a polícia nesse dia, Strummer conclamou os brancos a se juntarem ao movimento.

É, amigo…

Foi com o pé na porta e o dedo na ferida que o Clash iniciou sua estrada. Sem rodeios, sem frescura.

“Black men got a lot of problems/But they don’t mind throwin a brick/White people go to school/Where they teach you how to be real thick/And everybody’s doin/Just what they’re told to/An nobody wants/To go to jail”, diz a letra de Strummer, antes do explosivo refrão: “White riot/I wanna riot/White riot/A riot of my own”.

Mais explícita, impossível.

Em entrevista à NME, o líder do Clash seria ainda mais transparente e incisivo: “A única coisa que estamos dizendo sobre os negros é que eles têm seus problemas e estão preparados para lidar com isso, mas os homens brancos, eles simplesmente não estão preparados – tudo é muito confortável. Tenho som, drogas, hi-fis, carros… Os pobres negros e os pobres brancos estão no mesmo barco”.

As cenas daquele dia em Notting Hill foram como uma epifania para a dupla do Clash, principalmente para Joe Strummer.

Sobre a reação deles na erupção da treta, conta Pat Gilbert, na biografia Clash Passion is a Fashion, como pontua Alexander Billet em ótimo texto no counterpunch.org – link abaixo:

“Na agitação, Paul e Joe se perderam de Bernie [Rhodes] sob o elevado Westway. Simonon se lembra com alegria jogando tijolos nos pelotões de polícia e quase derrubando um policial da moto… com um cone de trânsito. Quando o tumulto explodiu, Joe tentou botar fogo em um carro virado para cima, mas os fósforos que acendeu se apagaram com o vento”.

“White Riot” chegaria ao 38º posto das paradas britânicas, preparando terreno para o lançamento do primeiro álbum do Clash, em abril.

Mas essa história fica pra outro dia… Porque todo dia é histórico.

“White Riot”:

Fontes e +MAIS:

– theclash.com

– Wikipedia

– songfacts.com

– counterpunch.org

– guitarplayer.com

– seuhistory.com

Anúncios

Fala!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s