“Match Point” estreia no Brasil

Há 10 anos… dia 17 de fevereiro de 2006.

"Match Point" estreia no Brasil

Uma das razões para o fascínio de “Match Point”, de Woody Allen, é que todo e cada personagem é podre. Este é um thriller não sobre o bem contra o mal, mas sobre várias espécies de mal envolvidas em uma luta pela sobrevivência do mais forte – ou, como o filme deixa claro, do mais sortudo. “Eu prefiro ter sorte do que ser bom”, diz Chris, o profissional de tênis da Irlanda, na abertura do filme, enquanto vemos uma bolinha tocando a fita da rede – é pura sorte de que lado ela cai. O próprio destino de Chris depende de um simples lance de sorte de uma moeda.

Assim Roger Ebert abre a resenha sobre “Match Point”, que estreou há exatos 10 anos nos cinemas brasileiros. Aqui, aliás, recebeu o adendo “Ponto Final” ao título. Para o renomado crítico, uma produção 4 estrelas (das 4 possíveis de suas avaliações), comparável aos grandes filmes do diretor nova-iorquino, como “Manhattan”, “Annie Hall” (“Noivo Neurótico, Noiva Nervosa”) ou “Hannah e Suas Irmãs”.

Assino embaixo.

“Match Point” é um filmaço. Uma trama muito bem delineada, um drama labiríntico e surpreendente. Como uma partida de tênis, ora pende a um lado, ora a outro. Um roteiro magistral, inspirado em Crime e Castigo, de Dostoiévski, e embalado com árias de Caruso. Indicado ao Oscar, diga-se de passagem.

O longa foi uma espécie de retorno de Woody Allen aos holofotes, após uma sequência de “fracassos” como “O Escorpião de Jade”, “Igual a Tudo na Vida” ou “Melinda & Melinda”, considerados fracos pela crítica e com resultados pífios de bilheteria.

O diretor, aliás, considera “Match Point” o seu melhor filme, porque os atores, a fotografia e a estória se encaixaram à perfeição.

Por falar no elenco, não há alguém que se destaque, apesar da óbvia boa atuação do protagonista Jonathan Rhys Meyers no papel de Chris Wilton. Scarlett Johansson dá tempero especial à personagem que seria de Kate Winslet, mas tem interpretação regular, nada de mais.

Scarlett se tornaria a “queridinha” das produções seguintes de Woody Allen, como “Scoop – O Grande Furo”, ótima comédia com o selo de qualidade Allen, e “Vicky Cristina Barcelona”, o filme mais Almodóvar da carreira do americano, como disseram à época do lançamento.

Mas essa(s) história(s) – e filmes – fica(m) pra outro dia… Porque todo dia é histórico.

Trailer do filme:

Fontes e +MAIS:

Wikipedia

Wikipédia

IMDb

rogerebert.com

– omelete.uol.com.br

– lounge.obviousmag.org

Acervo Folha

Fala!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.