Parque do Ibirapuera é inaugurado em São Paulo

Há 60 anos… dia 21 de agosto de 1954.

Parque do Ibirapuera é inaugurado em São Paulo

Um oásis verde e sereno em meio ao caos da selva de pedra, barulho, cimento, fios, estresse, postes e concreto.

Cada vez mais cartão-postal de São Paulo e do Brasil e mais pop do que nunca, o Parque do Ibirapuera completa 60 anos neste 21 de agosto. Para se ter ideia da popularidade do querido Ibira – ou praia de “paulixta”, como brincam os cariocas! –, é o local com mais check-ins do País, segundo o Facebook. É bacana mostrar pra todo mundo que você está lá.

De fato, desde a inauguração, o parque atrai cada vez mais gente. Todo mês, 1,2 milhão de pessoas passam pelo Ibirapuera. Passear, correr, pedalar, namorar, fazer piquenique, brincar, comer, conversar, empinar pipa, jogar bola, basquete, vôlei, levar o cachorro… Espaço é o que não falta. São 1.584 milhão de m2 de área!

A ideia de se fazer um parque cravado no meio da metrópole surgiu no final da década de 1920. O então prefeito Pires do Rio queria criar em São Paulo algo semelhante ao Hyde Park, de Londres, ou ao Central Park, de Nova York.

Uma área conhecida como Ibirapuera, que abrigava antiga aldeia indígena, parecia perfeita para o projeto. Havia um porém. Tratava-se de uma região alagadiça. Os índios, aliás, a batizaram, sabiamente, de Ibirapuera, que, em tupi, significa árvore podre.

Assim, o sonho foi abandonado. Não por Manuel Lopes de Oliveira. Funcionário da prefeitura, ele começou a plantar árvores de diferentes tipos na área, em especial eucaliptos, com o objetivo de drenar a água. Sabe o Viveiro Manequinho Lopes? Pois é. Ele mesmo.

Anos se passaram até que o projeto fosse retomado. Finalmente, em 1951, o governador Lucas Nogueira Garcez formou uma comissão com representantes dos poderes públicos e membros da iniciativa privada para tirar o plano do papel. O objetivo era tornar a abertura do parque o marco das celebrações dos 400 anos de São Paulo, o famoso IV Centenário.

Oscar Niemeyer encarregou-se do projeto arquitetônico, enquanto Roberto Burle Marx ficou com o plano paisagístico, que acabou abortado em privilégio de Otávio Augusto Teixeira Mendes, engenheiro agrônomo.

O atraso nas obras fez com que a inauguração fosse adiada em sete meses.

“Realizou-se ontem, às 11 horas, solenemente, com a presença de autoridades civis, militares e eclesiásticas, estaduais e municipais, a inauguração da Exposição do IV Centenário da Fundação da cidade de São Paulo, no Parque do Ibirapuera”, relatou o Estadão na edição de 22 de agosto de 1954.

Abriam-se os portões do Ibira.

Hoje, o sessentão segue bonito, imponente e fundamental para São Paulo.

Que venham mais sessenta!

Veja fantástico vídeo com imagens de 1954:

Fontes:

Wikipédia

Acervo Estadão

parqueibirapuera.org

folha.uol.com.br

Anúncios

Fala!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.