Em 1ª viagem como presidente, Kennedy chega a Paris

Há 55 anos… dia 31 de maio de 1961.

Em 1ª viagem como presidente, Kennedy chega a Paris

Na chegada a Cidade Luz, uma esfuziante recepção de cerca de 500 mil pessoas, com direito a gritinhos de “Vive Zhack-ee” e “Kenne-dee”, como bem relembra matéria da revista Vanity Fair.

Charles De Gaulle fez coro, concedendo “a mais cordial saudação da França”.

No primeiro discurso do novo e jovem presidente dos Estados Unidos, a pública expressão de gratidão pelo carinho do povo local e a definição do país como o “mais antigo amigo da América”.

À primeira vista e nas aparências, a primeira viagem oficial de John Kennedy como novo mandatário da Terra do Tio Sam fora um sucesso. Ele e, principalmente, Jackie, tinham fisgado os franceses de jeito – “Eu sou o homem que acompanha Jackie Kennedy em Paris”, brincou à imprensa local o carismático presidente.

Porém, um homem não foi pego pelo feitiço e o charme do casal Kennedy. O mais importante, claro. Nem o francês fluente da primeira-dama americana foi capaz de fazer Charles De Gaulle se dobrar às propostas de Kennedy.

Do ponto de vista prático, político e diplomático, a jornada do casal em terras gaulesas foi como as inúmeras tentativas do Império Romano em cooptar o povoado de Asterix e Obelix: um retumbante fracasso.

Kennedy desembarcou com o pensamento focado em convencer De Gaulle a dar um passo atrás no plano de desenvolvimento de armas nucleares. O presidente francês não arredou pé e deixou o queridinho da América fulo da vida.

“Após cuidadosa revisão do problema, tenho de chegar à conclusão de que seria indesejável ajudar os esforços da França para criar uma capacidade em desenvolver armas nucleares”, escreveu Kennedy ao então primeiro-ministro britânico, Harold Macmillan.

Ao assessor e conselheiro Theodore Sorensen, as palavras foram mais duras. Ele descreveu De Gaulle como “irritante, intransigente, insuportavelmente vaidoso, incoerente e impossível de agradar”.

É, o velho amigo não foi nada comparsa dos ianques.

E Kennedy retornou pra casa com o rabo entre as pernas. Mal sabia que De Gaulle seria o menor dos problemas no “front” do Velho Continente…

Pouco tempo depois, Kennedy teve de mediar a crise de Berlim, capítulo delicadíssimo no enredo da Guerra Fria.

Mas essa história fica pra outro dia… Porque todo dia é histórico.

A chegada dos Kennedy a Paris:

Fontes e +MAIS:

Wikipedia

– vanityfair.com

Acervo Folha

– jfklibrary.org

– nato.int

– democraticunderground.com

– britishpathe.com

– gettyimages.co.uk

Anúncios

Fala!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s