“A Casa de Bernarda Alba” estreia em Buenos Aires

Há 70 anos… dia 8 de março de 1945.

"A Casa de Bernarda Alba" estreia em Buenos Aires

POR FERNANDA VIANA*

Muito antes de me apaixonar pela cultura espanhola e pela dança flamenca, Federico García Lorca já tinha grande influência em minha vida. Meu avô Ivan, um amante da boa leitura e um apaixonado por Lorca, era dono de uma verdadeira biblioteca pessoal, cheia de relíquias cuidadosamente conservadas. De tempos em tempos, ele fazia uma eleição pessoal, caprichava na dedicatória e passava o “tesourinho” pra frente. Felizmente, herdei alguns deles, e entre Saramagos, Monteiros Lobatos e Nelsons Rodrigues, eu confesso: Lorca sempre foi o meu preferido.

Nascido em Granada e fascinado por Andaluzia (taí o segundo motivo que me fez admirar ainda mais o poeta e dramaturgo espanhol), Federico García Lorca alcançou a posição de dramaturgo ilustre com a trilogia de dramas folclóricos: “Bodas de Sangue”, “Yerma” e “A Casa de Bernarda Alba” – a última escrita em 1936, trinta dias antes de ser assassinado pelo governo espanhol, durante a Guerra Civil (1936-1939).

Há dois anos, tive o privilégio de fazer parte de uma montagem de “A Casa de Bernarda Alba”, adaptada para um espetáculo de dança. A peça se passa dentro das frias paredes da casa de Bernarda Alba – personagem central. Bernarda é uma matriarca dominadora que mantém suas cinco filhas, Angústias, Madalena, Martírio, Amélia e Adela, sob vigilância tirânica. Sua postura implacável mantém um clima de tensão constante.

Terceiro sinal. Todos devidamente acomodados em seus lugares. As cortinas se abrem e em cena um cortejo fúnebre. Sinos tocam no pequeno povoado espanhol, comunicando que acaba de falecer o segundo marido de Bernarda. Em cena, um grupo de mulheres com véus negros dançam uma “petenera” – baile flamenco interpretado de forma lenta e sentimental. Historicamente, existe uma superstição: dançar ou cantar uma “petenera” atrai má sorte para aqueles que a interpretam. Assim começa “A Casa de Bernarda Alba”.

Está decretado o luto. Oito anos de reclusão. Nenhuma janela deve ser aberta e somente roupas escuras em tempos de calor escaldante. Algumas coreografias depois, chega ao vilarejo um grupo de jovens ceifadores, despertando nas jovens enclausuradas o espírito adolescente até então sufocado por Bernarda. Estão em cena três mulheres e um homem. Todos devidamente caracterizados. As movimentações são fortes, secas e precisas. O compasso da coreografia é rápido, terminando por “bulería” – popularmente conhecido como o baile flamenco mais rápido.

Entre os ceifadores, está o galanteador Pepe Romano. Tem início uma selvagem e cruel disputa dentro do casarão. As moças imaturas – e agora incontroláveis! – brigam pelo amor de um mesmo homem, sem saber das trágicas consequências. O fim de “A Casa de Bernarda Alba” deixa o espectador encolhido na poltrona.

Já assisti a algumas montagens e, personagens e cenas à parte, trata-se de uma verdadeira crítica ao papel da mulher na sociedade espanhola na década de 1930. Os dotes, etiquetas e “bons costumes” versus a simples vontade de viver a vida em plena juventude. E foi assim que Federico García Lorca alcançou o status de dramaturgo genial. E eu tive o privilégio de dançar a sua obra.

* Fernanda Viana é bailarina, professora, integrante do Coletivo Acuantos e sente muita saudade do incrível vovô Ivan.

Aclamada montagem da peça, de 1998:

Fontes:

Wikipedia

Wikipédia

Wikipedia (espanhol)

Anúncios

Um comentário sobre ““A Casa de Bernarda Alba” estreia em Buenos Aires

Fala!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.